Tuesday, November 25, 2014

POEM 20, by Pablo Neruda

Tonight, I'm the mood for Pablo Neruda. In the mood to read one of his poems, Poem 20, in four languages: English, Italian, Portuguese and of course, Spanish. Here they are...

Source: Poetry Ireland


First, in ENGLISH:
POEM 20
Twenty Love Poems: And a Song of Despair

Tonight I can write the saddest lines.

Write, for example, "The night is starry
and the stars are blue and shiver in the distance."

The night wind revolves in the sky and sings.

Tonight I can write the saddest lines.
I loved her, and sometimes she loved me too.

Through nights like this one I held her in my arms.
I kissed her again and again under the endless sky.

She loved me, sometimes I loved her too.
How could one not have loved her great still eyes.

Tonight I can write the saddest lines.
To think that I do not have her. To feel that I have lost her.

To hear the immense night, still more immense without her.
And the verse falls to the soul like dew to the pasture.

What does it matter that my love could not keep her.
The night is starry and she is not with me.

This is all. In the distance someone is singing. In the distance.
My soul is not satisfied that it has lost her.

My sight tries to find her as though to bring her closer.
My heart looks for her, and she is not with me.

The same night whitening the same trees.
We, of that time, are no longer the same.

I no longer love her, that's certain, but how I loved her.
My voice tried to find the wind to touch her hearing.

Another's. She will be another's. As she was before my kisses.
Her voice, her bright body. Her infinite eyes.

I no longer love her, that's certain, but maybe I love her.
Love is so short, forgetting is so long.

Because through nights like this one I held her in my arms
my soul is not satisfied that it has lost her.

Though this be the last pain that she makes me suffer
and these the last verses that I write for her.

In SPANISH:
POEMA VEINTE
Veinte poemas de amor y una canción desesperada

PUEDO escribir los versos más tristes esta noche.

Escribir, por ejemplo: " La noche está estrellada,
y tiritan, azules, los astros, a lo lejos".

El viento de la noche gira en el cielo y canta.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Yo la quise, y a veces ella también me quiso.

En las noches como ésta la tuve entre mis brazos.
La besé tantas veces bajo el cielo infinito.

Ella me quiso, a veces yo también la quería.
Cómo no haber amado sus grandes ojos fijos.

Puedo escribir los versos más tristes esta noche.
Pensar que no la tengo. Sentir que la he perdido.

Oír la noche inmensa, más inmensa sin ella.
Y el verso cae al alma como pasto el rocío.

Qué importa que mi amor no pudiera guardarla.
La noche está estrellada y ella no está conmigo.

Eso es todo. A lo lejos alguien canta. A lo lejos.
Mi alma no se contenta con haberla perdido.

Como para acercarla mi mirada la busca.
Mi corazón la busca, y ella no está conmigo.

La misma noche que hace blanquear los mismos árboles.
Nosotros, los de entonces, ya no somos los mismos.

Ya no la quiero, es cierto, pero cuánto la quise.
Mi voz buscaba el viento para tocar su oído.

De otro. Será de otro. Como antes de mis besos.
Su voz, su cuerpo claro. Sus ojos infinitos.

Ya no la quiero, es cierto, pero tal vez la quiero.
Es tan corto el amor, y es tan largo el olvido.

Porque en noches como ésta la tuve entre mis brazos,
mi alma no se contenta con haberla perdido.

Aunque éste sea el último dolor que ella me causa,
y éstos sean los últimos versos que yo le escribo.

In ITALIAN:
POEMA XX
Venti poesie d'Amore e una canzone disperata

Posso scrivere i versi più tristi stanotte.

Scivere, per esempio: "La notte è stellata,
e tremano, azzurri, gli astri, in lontananza".

Il vento della notte gira nel cielo e canta.

Posso scrivere i versi più tristi stanotte.
Io l'ho amata e a volte anche lei mi amava.

In notti come questa l'ho tenuta tra le braccia.
L'ho baciata tante volte sotto il cielo infinito.

Lei mi ha amato e a volte anch'io l'amavo.
Come non amare i suoi grandi occhi fissi.

Posso scrivere i versi più tristi stanotte.
Pensare che non l'ho più. Sentire che l'ho persa.

Sentire la notte immensa, ancor più immensa senza lei.
E il verso scende sull'anima come la rugiada sul prato.

Poco importa che il mio amore non abbia saputo fermarla.
La notte è stellata e lei non è con me.

Questo è tutto. Lontano, qualcuno canta. Lontano.
La mia anima non si rassegna d'averla persa.

Come per avvicinarla, il mio sguardo la cerca.
Il mio cuore la cerca, e lei non è con me.

La stessa notte che sbianca gli stessi alberi.
Noi, quelli d'allora, gia' non siamo gli stessi.

Io non l'amo più, è vero, ma quanto l'ho amata.
La mia voce cercava il vento per arrivare alle sue orecchie.

D'un altro. Sarà d'un altro. Come prima dei miei baci.
La sua voce, il suo corpo chiaro. I suoi occhi infiniti.

Ormai non l'amo più, è vero, ma forse l'amo ancora.
E' così breve l'amore e così lungo l'oblio.

E siccome in notti come questa l'ho tenuta tra le braccia,
la mia anima non si rassegna d'averla persa.

Benchè questo sia l'ultimo dolore che lei mi causa,
e questi gli ultimi versi che io le scrivo.

In PORTUGUESE:
POEMA 20
Vinte poemas de amor e uma canção desesperada

Posso escrever os versos mais tristes esta noite.

Escrever por exemplo: A noite está fria e tiritam,
azuis, os astros à distância

Gira o vento da noite pelo céu e canta

Posso escrever os versos mais tristes esta noite
Eu a quiz e por vezes ela também me quiz

Em noites como esta, apertei-a em meus braços
Beijei-a tantas vezes sob o céu infinito

Ela me quiz e as vezes eu também a queria
Como não ter amado seus grandes olhos fixos ?

Posso escrever os versos mais lindos esta noite
Pensar que não a tenho. Sentir que já a perdi

Ouvir a noite imensa mais profunda sem ela
E cai o verso na alma como orvalho no trigo

Que importa se não pode o meu amor guardá-la ?
A noite está estrelada e ela não está comigo

Isso é tudo. A distância alguém canta. A distância
Minha alma se exaspera por havê-la perdido

Para tê-la mais perto meu olhar a procura
Meu coração procura-a, ela não está comigo

A mesma noite faz brancas as mesmas árvores
Já não somos os mesmos que antes havíamos sido

Já não a quero, é certo
Porém quanto a queria !
A minha voz no vento ia tocar-lhe o ouvido

De outro. será de outro
Como antes de meus beijos
Sua voz, seu corpo claro, seus olhos infinitos

Já não a quero, é certo, Porém talvez a queira
Ah ! é tão curto o amor, tão demorado o olvido

Porque em noites como esta eu a apertei em meus braços,
Minha alma se exaspera por havê-la perdido

Mesmo que seja a última esta dor que me causa
E estes versos os últimos que eu lhe tenha escrito.
***

P/S: For more updates, LIKE me on my Facebook pages at Alice Teh and The Weekend Traveler, OR FOLLOW me on Twitter and Instagram. See you there!